Definição da semana: efeito do auto-leitor

Symon e Johnson (1997, citado em Myers 2006) explique que somos melhores de lembrar informações que podemos nos relacionar. Por exemplo, se formos perguntados a sucesso, os adjetivos que descrevem uma certa pessoa, provavelmente o esquecem; Por outro lado, se for solicitado a avaliar como estamos descritos para nós mesmos, tendemos a lembrar as palavras muito bem. Esse fenômeno é chamado de efeito de auto-referência.

Vários estudos foram feitos sobre o assunto:

Alguns têm procurados ver o efeito da auto-referência em ação. Por exemplo, dando um grupo de assuntos 4 tarefas para forçar vários tipos de codificação (auto-referência, estrutural, semântica e fonética). A memória incidental das palavras deixou claro que os adjetivos qualificados na tarefa de auto-referência lembrou-se muito melhor. Outro estudo descobriu que o efeito pode ser visto mesmo mesmo se a imaginação é usada em vez de palavras.

Seja um membro e receba análises, guias, material exclusivo e descontos para cursos de treinamento.

Também foi possível ver que, se o córtex pré-frontal medial tiver dano, o efeito do auto-leitor é cancelado. De acordo com os autores do estudo, isso aponta a importância do referido córtex para que seja do efeito de auto-referência e sugira que é importante processar informações de auto-referência e para a representação neuronal de si mesmo.

Finalmente, finalmente, também poderia ser observado que o efeito do auto-serviço é mais limitado em adultos mais velhos. A quantidade de recursos cognitivos exerceu uma influência sobre quanto os idosos adultos da auto-referência beneficiou. A auto-referência parece melhorar a memória dos idosos, mas os benefícios são limitados apesar da natureza relevante do nível social e do pessoal da tarefa.

fontes:

Brown, polly; Keenan, Janice M.; Potts, George R. (1986) O efeito de auto-referência com codificação de imagens.
Gutchess, A., Kensinger, B., Yoon C. Schacter, D. (2007) Envelhecimento e o efeito de auto-referência na memória.
Myers, D. (2006), 7ª psicologia da edição. Pan American Medical Editorial: Madrid

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *